DIGA NÃO AO PL DO AUTOCONTROLE! Assine e ajude a impedir essa ameaça nacional aos animais!

Você sabe o que é Better Chicken Commitment?


O Better Chicken Commitment (BCC) é um conjunto de padrões para melhorar o bem-estar dos frangos de corte. Várias organizações de proteção animal, incluindo a Animal Equality, estão negociando com empresas do setor alimentício para que elas assumam o compromisso de melhorar a vida dos frangos. No Brasil, esse trabalho está em fase inicial e é a esperança de mais de 6 bilhões de frangos que são criados e abatidos anualmente em nosso país. 

Embora saibamos que a melhor maneira de ajudar os animais é simplesmente não comê-los, é importante progredir e dar algum alívio aos animais que estão sofrendo nas fazendas industriais. É por isso que, internacionalmente, a Animal Equality incentiva as empresas a adotarem o BCC. 

O BCC é um conjunto específico de padrões que permite que os frangos tenham:

  • Mais espaço para se locomoverem
  • Um ambiente mais limpo
  • Iluminação e qualidade do ar mais adequada
  • Ambiente enriquecido com substratos de bicadas e plataformas para os frangos interagirem com o ambiente
  • Raças/linhagens que demonstrem resultados mais altos de bem-estar animal 
  • Métodos de pré-abate e abate que gerem o menor sofrimento aos animais

Por que se preocupar com os frangos?

Todo animal, independente da espécie, deveria ser protegido e respeitado, mas infelizmente essa não é a realidade e a situação é pior quando falamos de animais de fazendas. A seguir estão alguns dos principais motivos pelos quais empresas, governos e consumidores devem se preocupar mais com os frangos e incentivarem compromissos como o BCC.

  1. Frangos são extremamente inteligentes e sensíveis: eles entendem o conceito de números e podem executar aritmética simples; demonstram autocontrole; capacidade de planejar com antecedência; demonstram sinais de empatia quando outras aves estão em perigo; possuem um avançado sistema de comunicação. Clique aqui para ler um estudo científico que fala dessas e de outras capacidades intelectuais e emocionais dos frangos.
  2. Os frangos passam a vida inteira em galpões imundos e superlotados: a cama (substrato que recobre o chão do galpão) raramente é trocada, com isso, tem grande acúmulo de excretas e consequentemente de amônia, que além de causar severas dermatites e queimaduras no corpo dos animais, também pode gerar problemas respiratórios quando se encontra em elevada concentração no ar.
  3. Os frangos são obrigados a viverem praticamente no escuro: Quando se faz uso da iluminação artificial nos galpões, visando aumento da produtividade, o padrão utilizado é entre 1 a 6 lux, o que é muito escuro. Em comparação, um escritório de trabalho tem luminosidade entre 500 a 750 lux.
  4. Os frangos não tem oportunidade de interagir com o ambiente: As granjas não possui nenhum tipo de estrutura para enriquecer a qualidade de vida dos frangos, possibilitando que eles se distraiam e sejam mais ativos. A adição de itens como poleiros, plataformas, fardos de palha e objetos de bicadas, de acordo com pesquisas, melhora a saúde e aumenta os níveis de atividade das aves, contribuindo assim para o bem-estar animal.
  5. Geneticamente criados para serem animais doentes: A seleção genética, aplicada nos frangos com o objetivo de fazer com que esses animais ganhassem a maior quantidade de peso corporal no menor tempo possível, trouxe drásticas consequências para a saúde desses animais. Os distúrbios metabólicos são muito comuns em frangos de crescimento rápido, porque a taxa de crescimento muscular é acelerada em comparação com a dos vasos sanguíneos no tecido muscular, pressionando, portanto, a circulação sanguínea e o coração. Isso resulta em uma variedade de doenças, como ascites, parada cardíaca e miopatias.
  6. Dores e dificuldade de locomoção: Outra consequência negativa da seleção genética está relacionada com a capacidade óssea dos frangos. Quando comparado a outras aves, frangos de crescimento rápido são menos ativos. Muitos animais sofrem com discondroplasia tibial. Tendo um esqueleto imaturo que é incapaz de suportar seu rápido ganho de peso, suas pernas mal conseguem sustentá-lo. A ação de ficar em pé e caminhar poucos passos pode causar desconforto e dor, assim, eles passam menos tempo ciscando e explorando o ambiente, preferindo ficar em repouso. Isso não significa que esses animais não estejam naturalmente motivados para expressar esses comportamentos naturais mais ativos, a realidade é que eles não têm capacidade física para expressá-los.

Como você pode ajudar os frangos?

A melhor forma de proteger os animais é os deixando fora do seu prato. Outra forma de ajudar é compartilhando nossos conteúdos para que mais pessoas saibam como os frangos são criados. Você também pode fazer uma doação para nos ajudar a ampliar e fortalecer nosso trabalho com frangos no Brasil.


Mais populares
fevereiro 14, 2018

Se você está buscando informações sobre veganismo ou tentando fazer a transição, esse post é para você! Os documentários abaixo mostram o veganismo em vários contextos — alguns ressaltam seus benefícios para a saúde, enquanto outros mostram a crueldade animal e os problemas ambientais causados pela indústria da carne. São…
dezembro 10, 2018

A ciência já provou que eles são capazes de sentir, pensar e perceber. Agora ativistas lutam para que a lei reconheça que eles têm direitos assim como nós Por Nyle Ferrari Manifestação da Animal Equality em homenagem ao Dia Internacional dos Direitos Animais (Fotografia: Paula Jacob) Depois de serem transportados…
março 19, 2020

Algumas das graves ameaças à saúde pública dos últimos 20 anos foram consequências diretas do consumo de carne e produtos de origem animal, por exemplo: O caso da carne bovina com hormônios Em 1988, um grande caso explodiu porque a carne bovina dos EUA continha hormônios esteróides, normalmente utilizados ​​em…