Doenças que foram consequências diretas do consumo de carne e produtos de origem animal

Algumas das graves ameaças à saúde pública dos últimos 20 anos foram consequências diretas do consumo de carne e produtos de origem animal, por exemplo:

O caso da carne bovina com hormônios

Em 1988, um grande caso explodiu porque a carne bovina dos EUA continha hormônios esteróides, normalmente utilizados ​​em fazendas americanas para aumentar o crescimento animal. A questão não é trivial, pois em alguns casos são substâncias classificadas pelo IARC como cancerígenas. Apesar disso, os americanos usam regularmente anabolizantes e hormônios para criar gado e ovelhas. Após o caso da década de 1980, abriu-se uma disputa entre a Europa e os EUA e somente em 2019 as duas nações chegaram a um acordo para permitir que os EUA exportassem 35 mil toneladas de carne bovina sem hormônio para a Europa todos os anos.

A “vaca louca”

Começou há trinta anos, em 1986, quando os primeiros casos de encefalopatia espongiforme bovina (BSE) ocorreram na Grã-Bretanha e foram registrados na história como “doença da vaca louca”. O Reino Unido iniciou a vigilância passiva do gado, mas, em meados da década de 90, o alarme disparou porque os primeiros casos da doença foram descobertos em pessoas. A doença se originou porque os alimentos enriquecidos com farinhas produzidas pela incineração de ossos de outros bovinos previamente abatidos foram consumidos pelo gado, forçando as vacas a um verdadeiro canibalismo. A doença da vaca louca não é uma infecção clássica que pode ser resolvida com uma sintomatologia leve que afeta o sistema digestivo, pelo contrário: é uma patologia muito séria que envolve a morte progressiva das células nervosas do cérebro com um curso muito mais rápido do que em qualquer outra demência, e a morte pode ocorrer em três meses. O maior contágio ocorreu na Inglaterra, onde 158 pessoas foram mortas e milhares de vacas morreram, chegando ao número de até cem por dia.

Gripe aviária

O último dos grandes medos – antes do Coronavírus – foi causado pela gripe aviária. A gripe aviária é uma doença das aves espalhada por todo o mundo e é capaz de infectar quase todas as espécies de aves, incluindo aquelas exploradas para alimentação. Desde o início da epidemia em áreas do sudeste da Ásia, iniciada em 2003, a OMS emitiu um alerta para todas as instituições internacionais cooperarem na implementação de planos e ações preventivas para reduzir o risco de transmissão do vírus aviário para humanos. Desde o início de 2003, o H5N1 fez uma série de saltos de espécies, adquirindo a capacidade de também infectar gatos e ratos, tornando-se um problema de saúde pública muito mais preocupante. A capacidade do vírus de infectar porcos é conhecida há muito tempo e, portanto, a promiscuidade de humanos, porcos e aves é notoriamente considerada um fator de alto risco. Em epidemias recentes, desde 2003, a capacidade desse vírus de afetar diretamente seres humanos também foi documentada, causando formas agudas de gripe que, em muitos casos, levaram à morte. Entre 2003 e 2008, a gripe aviária causou 351 casos de infecção e 129 mortes, principalmente na Ásia. Durante esses anos, a gripe aviária trouxe uma forte preocupação que levou à diminuição do consumo de carne branca e ao sacrifício de milhões de aves em fazendas em todo o mundo.

Em um artigo recente em La Stampa, assinado pelo popularizador científico Mario Tozzi, lemos que: «Outros casos recentes de doenças que geraram muitas mortes e um alarme geral, como Ebola, Sars e Zika, H1N1 e Mers poderiam ser relacionados ao consumo de produtos de origem animal. Os pesquisadores partem de uma simples consideração, de que o denominador menos comum de todas essas patologias é, sem dúvida, a transmissão animal. Setenta por cento das EIDs (doenças infecciosas emergentes) derivam de uma interação mais ou menos direta entre animais silvestres ou exóticos, animais domesticados e humanos “.

O que podemos fazer?

Parece claro que o crescimento exponencial do consumo intensivo de produtos de origem animal nos expôs cada vez mais a riscos à saúde global. No entanto, alguns são ainda mais preocupantes do que aqueles que já parecem tão dramáticos hoje em dia, como o Coronavírus. Esses riscos estão de fato emergindo nos últimos anos e ainda não atingiram sua máxima nocividade, como o fenômeno da resistência aos antibióticos, que, lembre-se, a OMS acredita que será “uma das maiores ameaças à saúde global”.

O que podemos fazer agora para evitar essa catástrofe? A resposta está sempre em fazer escolhas importantes e conscientes, como a de mudar nosso consumo eliminando ou reduzindo ao máximo o consumo de produtos de origem animal, mesmo em nível pessoal. Hoje, mais do que nunca, podemos dizer que as nossas escolhas alimentares – como indivíduos e como grupo – têm um enorme impacto na vida não só dos animais, mas também na saúde das pessoas e no futuro de todo o planeta.

MUDE A SUA ALIMENTAÇÃO PARA MUDAR O MUNDO