Conheça a nova Diretora Executiva da Animal Equality Brasil

Carla Lettieri, nova Diretora Executiva da Animal Equality Brasil, é bacharel em Letras Português e Inglês pela PUC-Rio, fez mestrado em Relações Internacionais, no Instituto de Relações Internacionais, na mesma universidade. Também tem uma formação avançada em resolução de conflitos, pela Universidade de Uppsala, e certificações em gestão de mudanças pelo Human Change Management Institute. Atualmente cursa o Doutorado em Sociologia e Direito na Universidade Federal Fluminense.

Preparamos uma entrevista para você conhecê-la melhor e ficar por dentro dos desafios futuros da Animal Equality no Brasil.

Renata Schaitza: Fale um pouco sobre a sua experiência no Terceiro Setor.

Carla Lettieri: Desde o mestrado sempre quis trabalhar no Terceiro Setor, mas antes disso acontecer eu fui professora assistente em duas universidades no Rio de Janeiro (UniverCidade e a Cândido Mendes). Em 2005 eu trabalhei no Departamento Socioambiental de Ampla Energia e Serviços, atuando em projetos comunitários de eficiência energética. Em 2006 comecei a trabalhar no Instituto Ronald McDonald, e durante quase 14 anos liderei programas e projetos em prol de crianças e adolescentes com câncer e suas famílias em todo Brasil. Atuei em várias frentes de atuação do terceiro setor (projetos, advocacy, gestão) e isso me trouxe uma visão bem holística de como gerenciar uma organização da sociedade civil. 

Renata Schaitza: Como se deu sua aproximação com a causa animal e por que decidiu fazer parte da nossa equipe?

Carla Lettieri:  Sempre amei animais e meu sonho de infância e adolescência era ser bióloga. Nunca achei certo comer animais quando temos tantas opções de alimentos na natureza e por causa disso, fiz várias tentativas de me tornar vegetariana. Isso aconteceu de forma definitiva em 2012, após resolver um problema de saúde e recentemente eu me tornei vegana, pois não queria mais fazer parte dessa cadeia de consumo de sofrimento.  

Eu decidi me candidatar à vaga pela oportunidade de fazer a diferença e diminuir a crueldade contra os animais de fazenda. Pessoalmente isso significou para mim a oportunidade viver com muito mais alinhamento entre o meu trabalho e meus valores. Eu estou muito feliz por integrar a equipe!

Renata Schaitza: Qual é o “superpoder” que você pretende usar em favor da proteção dos animais de produção?

Carla Lettieri: Considerando que todos têm superpoderes para transformar o mundo, acredito que os meus são determinação, paciência e vontade de construir consensos e alianças sólidas em torno dos propósitos que eu acredito. Pretendo usar essas qualidades para fortalecer ainda mais a coalizão de organizações que possuem causas afins à nossa e para beneficiar um número ainda maior de animais. 

Renata Schaitza: Nesse primeiro mês de trabalho, o que você nos diz sobre como é trabalhar na Animal Equality Brasil?

Carla Lettieri: Foi realmente maravilhoso ver que o time da Animal Equality Brasil é extremamente profissional e comprometido em diminuir o sofrimento dos animais de produção e difundir um estilo de vida mais compassivo. Temos uma estrutura enxuta, mas que trabalha de forma muito pró-ativa e organizada. Também é excelente saber que temos um ótimo alinhamento com a equipe da Animal Equality Internacional. O time internacional também é muito profissional e sempre disposto a nos ajudar a fazer melhor o nosso trabalho. Como a Animal Equality está presente em 8 países, a troca de experiências com o time internacional é muito construtiva.  Outra coisa que também achei muito positiva na cultura da Animal Equality é a objetividade. Nosso tempo é preciso por isso precisamos fazer o melhor uso possível em favor dos animais que defendemos. 

Renata Schaitza: Quais sãos os desafios para o futuro da Animal Equality Brasil e suas prioridades para os próximos meses?

Carla Lettieri: Defender o direito dos animais de fazenda a terem uma vida sem sofrimento e difundir o veganismo no Brasil é, por si só, um desafio enorme. E no momento atual, esse desafio se torna ainda maior. Estamos enfrentando uma crise sanitária muito grave, que ressaltou outros problemas que nosso país enfrenta tais como a crise político-econômica, sem falar do agravamento das desigualdades sociais. Nosso maior desafio será continuar expandindo nosso trabalho, apesar do contexto desfavorável. Por outro lado, existem muitas oportunidades. Cada vez mais pessoas percebem a relação que existe entre o consumo de carnes e produtos derivados de proteína animal e questões como o aquecimento global, a fome, o desmatamento e a degradação ambiental, além é claro, do aumento do risco de pandemias zoonóticas. No mês passado o Programa da ONU para o Meio Ambiente lançou o relatório Preventing the Next Pandemic: Zoonotic diseases and how to break the chain of transmission, no qual informa que as doenças zoonóticas causaram perdas econômicas de mais de US $ 100 bilhões, sem incluir o custo da pandemia do COVID-19, que deverá atingir US $ 9 trilhões nos próximos anos. Por esses motivos e também pelos benefícios que promove à saúde, acredito que cada vez mais pessoas irão aderir ao veganismo.  

Minha prioridade nesse segundo semestre é revisar o planejamento estratégico da organização para que possamos ter mais clareza sobre como ampliar nossas oportunidades e nossa capacidade de fazer frente a todos esses desafios. 

Renata Schaitza: Em sua opinião, por que as pessoas deveriam apoiar a Animal Equality Brasil?

Carla Lettieri: Considerando relação entre a pecuária industrial e os problemas citados acima, posso afirmar que atualmente, ser vegano e ativista em favor do direito dos animais de produção é a ação com maior potencial para ajudar o mundo a ser um lugar melhor e mais justo.  Parar de consumir produtos de origem animal de qualquer tipo  irá à médio e longo prazo fazer com que o mercado entenda que não aceitamos mais queimadas e degradação ambiental, o  desrespeito às terras e comunidades tradicionais e principalmente a crueldade contra seres sencientes e que são capazes de entender plenamente o sofrimento a que são submetidos.  Como a alimentação vegana é mais acessível, também podemos esperar a redução da fome, se o número de pessoas veganas aumentar. 

Renata Schaitza: O que você diz para as pessoas que estão pensando em aderir ao veganismo?

Carla Lettieri: Muitas pessoas, assim como eu fiz durante muito tempo, pensam em se tornar veganas, mas adiam essa decisão por acreditarem é muito caro e trabalhoso. Meu conselho é que elas façam mudanças graduais  e consistente em favor de um estilo de vida mais compassivo e sustentável.  O veganismo é acessível a todas classes sociais. Eu posso garantir que nessa jornada nos tornamos seres humanos muito melhores e isso vale muito à pena.

Renata Schaitza: Como as pessoas que simpatizam com a causa da Animal Equality Brasil podem nos apoiar?

Carla Lettieri: Toda ajuda é muito bem-vinda e nos incentiva a trabalhar cada vez melhor em prol dos animais. As pessoas que tiverem interesse podem nos apoiar divulgando nosso conteúdo de mídias sociais, fazendo doações ou se tornando um protetor de animais. Os nossos protetores são voluntários que atuam de forma digital ou presencial e nos ajudam a aumentar o alcance e impacto das nossas ações.  Sem essas pessoas a Animal Equality não teria alcançado o patamar de excelência que alcançou com apenas 3 anos de existência. Por isso quero aproveitar para agradecer aos nossos protetores e a todos que nos apoiaram durante nossa trajetória. 

A Animal Equality é uma organização internacional que se dedica a defender animais explorados para consumo por meio de campanhas, advocacy, relações corporativas e investigações. 

Se você simpatiza com a nossa causa, você pode colaborar das seguintes formas:

Inscreva-se no Protetores de Animais, nosso programa de voluntariado on-line, e comece a ajudar os animais agora mesmo, sem precisar sair de casa; 

Faça uma doação mensal ou pontual;

Acompanhe o nosso conteúdo nas redes sociais e compartilhe as nossas publicações.

Ajude-nos a lutar por um mundo mais compassivo!