Maus-tratos e irregularidades na exportação de animais vivos para o Oriente Médio

Imagens inéditas mostram a brutalidade e os maus-tratos sofridos por animais exportados da Espanha para serem abatidos em países do Oriente Médio

Neste verão, aproximadamente 347 mil bovinos e ovinos foram exportados em longas viagens de barco para serem abatidos em países fora da União Europeia. Líbia, Líbano, Argélia, Turquia, Jordânia, Arábia Saudita e Marrocos estão entre os principais destinos desses animais.

As organizações Animals International e Animal Welfare Foundation, em colaboração com a Animal Equality e a Compassion in World Farming, puderam documentar pela primeira vez a presença de animais espanhóis em matadouros nestes países e como são tratados com crueldade e abatidos, sem atordoamento, com um corte no pescoço para sangrarem até a morte. As imagens inéditas registradas no Líbano expõem como os trabalhadores dos matadouros batem e colocam as mãos nos olhos dos animais para imobilizá-los. Entre os animais sacrificados, várias etiquetas de identificação espanhola foram documentadas.

Uma viagem sem garantias. Temperaturas acima do permitido.

Nas imagens gravadas nos portos de Cartagena e Tarragona pode-se perceber como os operadores recorrem à violência para forçar os animais a se moverem, já que repetidamente os arrastam pelas pernas e até mesmo os espancam. A investigação também mostra como animais mancos ou feridos que não podem viajar são forçados a embarcar com golpes.

Essas práticas violam o Regulamento da União Europeia sobre a proteção dos animais durante o transporte, que proíbe explicitamente levantar ou arrastar os animais pela cabeça, orelhas, pernas ou chifres ou manipulá-los de forma que cause dor ou sofrimento desnecessário.

Além disso, a investigação mostra como os animais suportam um enorme estresse térmico após horas de espera em caminhões quando a temperatura ultrapassava os 34 ° C no porto de Cartagena. A regulamentação europeia e o Plano do Ministério da Agricultura, Pescas e Alimentação estipulam que uma viagem não deve ser autorizada se a temperatura no interior do veículo ultrapassar os 30ºC e ainda deve ser penalizada se ultrapassar os 35ºC. Em alguns casos, na tentativa desesperados para fugir, alguns animais caem no mar e nadam à deriva sem que os trabalhadores do porto percebam.

“Falta fiscalização e controle nos portos, tanto de embarque quanto de desembarque, onde não existe infraestrutura adequada para fiscalizar e garantir o bem-estar animal de forma adequada. Não é necessário ter um veterinário a bordo e não há planos de emergência para proteger os animais de temperaturas extremas. Milhares de animais não têm acesso a cuidados veterinários por dias e até semanas” Maria Boada, veterinária AWF | TSB.

“O comércio europeu de animais vivos não é aceitável nem sustentável. O preço disso para os animais e para o meio ambiente é muito alto e o risco de propagação de doenças zoonóticas também ”. – Maria Boada, veterinária AWF | TSB.

Atualmente, grande parte dos animais é enviada de portos espanhóis para a Arábia Saudita, o país mais distante de todos os destinos de exportação e com temperatura muito elevada. Depois que a Austrália deixou de exportar animais para a Arábia Saudita, por se recusar a aceitar o sistema de garantia de bem-estar animal australiano, Espanha e Romênia, menos rígidas com as regras, assumiram essa demanda comercial.

Por outro lado, a Líbia, outro dos principais destinos dos animais exportados da Espanha, está imersa em um conflito armado, portanto, o bem-estar dos animais na chegada aos portos também não pode ser garantido.

Espanha, o primeiro país europeu a exportar bovinos e cordeiros vivos

A Espanha é o primeiro país europeu a exportar gado vivo e o segundo, logo depois da Romênia, a exportar ovelhas. Em 2019, as exportações de animais vivos aumentaram 28% em relação a 2018, ano em que mais de 900 mil animais (bovinos e ovinos) foram embarcados por via marítima. Números que serão maiores em 2020 porque a indústria pretende compensar o declínio no consumo interno causado pela crise da Covid-19 com as exportações.

País de engorda 

A Espanha também importa animais de toda a Europa para engordá-los. Entre eles, destacam-se os bezerros, que possuem pouco valor econômico nos países europeus produtores de leite. Esses animais, que em muitos casos ainda não foram desmamados, são transportados para a Espanha e sofrem muito durante a viagem. Transportes que são realizados apesar das evidências científicas que demonstram a fragilidade do seu sistema imunológico e do fato comprovado de não poderem alimentar-se durante o trajeto, devido aos sistemas de abastecimento inadequados dos camiões.

A Espanha os engorda e depois eles são abatidos por lá mesmo ou são enviados por mar para países terceiros onde os métodos de abate não são aceitos em território europeu.

“Encontramos animais espanhóis sendo abatidos no Oriente Médio de maneiras que seriam completamente ilegais no país de origem. Os animais espanhóis merecem um destino muito melhor do que este. Animais espanhóis devem ficar na Espanha.” – Gabriel Paun, Diretor da Animals International

Enquanto o consumo de carne diminui a cada ano na Espanha, as exportações não param de crescer para compensar essa queda. Atualmente, o país está negociando a exportação de animais vivos para Armênia, Venezuela, Uzbequistão, Indonésia, Colômbia, Peru, Taiwan, Sri Lanka, Argélia e Cabo Verde.

A Comissão Europeia reconhece que o bem-estar dos animais não pode ser garantido

A própria Comissão Europeia reconheceu no relatório elaborado no final de 2019 que existem deficiências identificadas neste tipo de transporte marítimo e rodoviário de longo curso e que o bem-estar dos animais não pode ser garantido.

Em todo o mundo, mais de 2 bilhões de animais de produção viajam longas distâncias a cada ano. Milhares morrem durante a viagem e são atirados ao mar, aparecendo nas praias.

“O transporte de longa distância é um verdadeiro inferno para os animais. Como mostra esta investigação, o abuso de animais ocorre em todas as fases. Da ida de caminhão aos portos, nos dias da agonizante viagem de barco, ao matadouro do destino, onde os animais são abatidos das formas mais horríveis possíveis.” – Silvia Barquero, Diretora da Igualdad Animal Espanha.

 “É hora da União Europeia agir e proibir essas viagens de longa distância para países que não cumpram as regulamentações europeias”, diz Silvia.

Ajude-nos a continuar nossa campanha para interromper o transporte de animais vivos na Espanha compartilhando esta matéria e, por favor, deixe os animais fora de seu prato.

VOCÊ ESTÁ PRONTO(A) PARA FAZER A TRANSIÇÃO PARA UM ESTILO DE VIDA MAIS COMPASSIVO? NÓS TE AJUDAMOS!