O CHOCANTE NÚMERO DE FRANGOS QUE MORREM ANTES DO ABATE

Milhões de frangos criados para carne morrem a cada ano antes mesmo de chegarem ao matadouro. Na verdade, os números obtidos entre 2016 e 2017 pela Food Standards Agency (FSA) mostram que 1,35 milhão de frangos morreram durante o transporte para o matadouro ou enquanto aguardavam o abate. Muitas dessas mortes são causadas pelas duras condições de vida e pela taxa de crescimento corporal anormal que coloca uma pressão imensa sobre os corpos desses animais.

CRESCIMENTO ANORMAL

O frango médio de hoje foi criado de forma seletiva para crescer 300% mais rápido do que os frangos criados para carne em 1960. De acordo com pesquisadores da Universidade de Arkansas, esses frangos crescem a uma velocidade tão rápida que ao atingir os dois meses alcança um peso  equivalente a uma criança na mesma idade pesando 300 quilos!  Ser criada para ganhar uma quantidade anormal de peso em um tempo muito curto faz com que muitas aves não consigam se movimentar, pois suas pernas não suportam o peso do próprio corpo, e assim elas passam a maior parte de suas vidas miseráveis deitadas nas próprias fezes, às vezes morrendo de desnutrição ou desidratação porque não são capazes de alcançar a comida e a água. Até 90% dos frangos criados para carne são afetados por uma anormalidade do tecido muscular causada por crescimento rápido. Este crescimento não natural gera uma grande tensão nas pernas, no coração e em outros órgãos das aves.

CONDIÇÕES DE VIDA DIFÍCIL

Além de serem criados para se tornarem extremamente grandes enquanto ainda são filhotes, uma situação que por si só já é degradante, os frangos também são criados em fazendas industriais onde são privados de suas necessidades mais básicas. Muitos frangos nunca pisarão do lado de fora do galpão e, como são forçadas a viver em ambientes fechados, as aves são exposta à luz artificial em vez da luz natural do dia. A fim de estimular o consumo de ração (ou seja, acelerar o crescimento do frango) e maximizar os lucros, as granjas modernas comumente praticam algo conhecido como manejo de luz, mantendo as aves sob iluminação quase contínua. A primeira vez que sentirão a luz do sol será quando forem carregados no caminhão de transporte. Outro problema que a afeta a vida dos animais é que essas aves são pesadas demais para se erguerem do solo carregado de amônia e fezes, e o solo contaminado queima a pele da sua barriga e causa ferimentos dolorosos. Esse ambiente sujo é um terreno fértil para microrganismos e doenças. A mortalidade resultante do estresse por calor também é outro problema, especialmente durante os meses de verão, e é exacerbada pelo aumento da densidade animal e taxas de crescimento mais rápidas.

SÍNDROME DA MORTE SÚBITA

Os frangos podem parecer saudáveis, mas de fato não estão, isso é comprovado pois é comum eles morrerem repentinamente. Isso é chamado de “síndrome da morte súbita” e a causa exata não é clara, mas acredita-se que seja uma doença metabólica relacionada ao metabolismo de carboidratos, acidose láctica, perda de integridade da membrana celular e desequilíbrio eletrolítico intracelular. Também tem sido relacionado a batimentos cardíacos irregulares, provavelmente resultado da forma extremamente acelerada que seus corpos crescem.

MORTE DURANTE O TRANSPORTE

Se os frangos permanecerem vivos por tempo suficiente para atingir seu “peso de mercado”, ainda haverá uma chance de que morram no caminho para o matadouro. Durante o transporte, mais de 3.000 aves são forçadas a entrar em gaiolas que são postas em caminhões e deixadas por várias horas sem comida e água, muitas vezes também sujeitas a condições climáticas severas. Como seus corpos já estão tensos, o estresse extremo e as condições desumanas fazem com que muitos sofram e morram. As causas de morte durante o transporte incluem insuficiência cardíaca, estresse causado pelo calor, congelamento e ferimentos devido ao manuseio incorreto das aves. Os produtores consideram essas mortes como parte dos negócios.

O QUE PODE SER FEITO

A incidência da síndrome da morte súbita e outras mortes pré-abate podem ser minimizadas diminuindo a taxa de crescimento corporal dos frangos usados ​​para carne e melhorando as condições de vida, algo que muitas empresas estão começando a implementar em suas políticas de bem-estar animal. A melhor maneira de evitar que os animais sofram esse destino é removê-los de sua dieta. Confira algumas de nossas opções favoritas de refeições à base de plantas no LoveVeg e comece a mudar o mundo hoje!