Inpe detectou em junho aumento de 88% no desmatamento da Amazônia

Área desmatada atingiu 920 quilômetros quadrados de floresta no período

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) detectou por meio de imagens de satélites aumento de 88% no desmatamento da Amazônia comparando junho de 2019 com junho de 2018. As imagens detectam o desmatamento em tempo real e, segundo o Inpe, a área desmatada atingiu 920 quilômetros quadrados de floresta em junho — uma área equivalente ao tamanho da Venezuela. A ciência produzida pelo Instituto está entre as melhores do mundo em suas áreas de atuação, contando com uma equipe de cientistas e técnicos de excelente qualificação. Todos os dados são obtidos diariamentes e disponibilizados em um boletim mensal no site do próprio instituto, e todas as informações são utilizadas não só por entidades governamentais, como o Ibama, mas também podem ser acessadas por qualquer pessoa que tenha interesse em estudar o desmatamento do país.

Reprodução Inpe

No Brasil, o principal responsável pelo desmatamento da Amazônia é a pecuária. Segundo dados divulgados pelo Greenpeace em 2009, a cada 18 segundos, um hectare de floresta Amazônica, em média, é convertido em pasto. De acordo com relatório lançado pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) em 2016, mais de 80% do desmatamento da Amazônia brasileira estava ligado à conversão de terras em terrenos de pasto. Não à toa, o rebanho bovino brasileiro ocupa atualmente uma área maior que 200 milhões de hectares, número que corresponde a mais de 20% do território brasileiro.

Fotografia: Nacho Doce / Reuters
Fotografia: Nacho Doce / Reuters
Fotografia: Nacho Doce / Reuters