DIGA NÃO AO PL DO AUTOCONTROLE! Assine e ajude a impedir essa ameaça nacional aos animais!

O que é o Descarte de Animais?


Muitas pessoas acreditam que comer ovos e leite são hábitos inofensivos para os animais, pois afinal, os animais não são mortos na produção desses alimentos. Porém, existe um segredo muito bem guardado na produção animal que vamos revelar neste post. Trata-se do descarte de animais, a prática de matar os animais que não possuem valor econômico para os produtores. Embora o descarte possa acontecer em qualquer tipo de produção animal, dois tipos de animais estão mais sujeitos a serem vítimas: os pintinhos, na indústria de ovos, e os bezerros na indústria de leite. Iremos abordar cada um destes casos.

Por que os pintinhos machos são descartados?

Na indústria de ovos, apenas as fêmeas (pintainhas) possuem valor econômico e os pintinhos machos são descartados em seu primeiro dia de vida porque não são capazes de produzir ovos e também não são considerados atrativos para venda de carne, pois são de uma linhagem genética diferente da dos frangos criados para produção de carne. Dos pintinhos machos nascidos, apenas um pequeno percentual é separado para garantir a reprodução de fêmeas e produzir novas pintainhas e o restante é descartado.

No Brasil, o método de descarte utilizado é a trituração dos pintinhos no primeiro dia de vida. Assim que os ovos eclodem, os machos são separados das fêmeas – que seguem para as granjas de produção de ovos – e são enviados em esteiras para serem triturados sem nenhum tipo de insensibilização. 

Para a indústria, o descarte por trituração é considerado “humano” (veja essa reportagem da BBC), mas a realidade é que esta prática não é nem um pouco compassiva. Para começar, por instinto, todos os animais buscam suas mães para se sentirem seguros e aprender com elas tudo o que lhes permite viver com segurança. Os pintinhos da indústria de ovos não têm essa oportunidade, pois nascem de ovos incubados de forma artificial. Ao nascer, eles são apanhados por trabalhadores que os separam e os colocam em bandejas. Ao serem enviados para as esteiras da morte, os pintinhos machos têm plena consciência de que estão em perigo, pois eles já possuem todos os seus sentidos formados (visão, tato, olfato e audição). Conforme vão se aproximando das máquinas de trituração essa sensação se intensifica, pois ouvem os sons de desespero daqueles que estão literalmente à beira da morte e sentem o cheiro de sangue daqueles que já foram triturados. 

Existe ainda a possibilidade da máquina perder o corte, os pintinhos machos têm uma morte ainda mais dolorosa, pois ao invés de morrerem rápido, são triturados lentamente ou morrem sufocados pelo peso dos outros animais que são jogados sobre eles. 

Não existem muitas informações sobre o destino da massa orgânica formada após o descarte dos pintinhos, mas sabe-se que muito provavelmente esse material é aproveitado como farinha para ser vendida para indústria de alimentos de cães e gatos, ou é jogada em aterros sanitários. Anualmente são triturados no Brasil cerca de 83 milhões de pintinhos. 

Entenda o descarte de bezerros

O descarte de bezerros machos segue a mesma lógica. Na indústria do leite, apenas as fêmeas possuem valor econômico para os produtores, pois são elas que produzem leite. 

Criar os bezerros é considerado para os produtores um verdadeiro prejuízo, pois eles teriam que arcar com os custos de alimentação, vacinas e outras despesas de produção. Por isso, o descarte também é adotado na indústria de leite como uma forma de manter os lucros.

Como os bezerros são descartados?

O processo de produção de leite contém muita crueldade embutida. Além das vacas serem forçadas a engravidar, os bezerros são afastados das mães tão logo nascem, para que o leite produzido para amamentá-los seja utilizado apenas para alimentar humanos. As fêmeas são alimentadas com uma mistura similar ao leite, mas de pouco valor. Já os machos, ou bezerros, têm um destino muito trágico, pois são descartados logo nos primeiros dias. Esses animais são mortos de diversas formas, mas a mais comum é por meio de traumatismo craniano -após o animal receber diversas pauladas- ou por inanição, ou seja, morrendo de fome.  

Não se sabe ao certo quantos bezerros são descartados no Brasil, mas estima-se que cerca de 8 milhões de animais tenham esse fim. 

O que pode ser feito para evitar o descarte de animais?

A boa notícia é que descarte tanto de pintinhos machos, quanto de bezerros pode ser evitado, com novas tecnologias de sexagem do animal antes do nascimento. No caso dos pintinhos, a tecnologia ainda está dando os primeiros passos, mas já existem diversos países trabalhando para acabar com essa prática. A Alemanha, a França e a Itália foram as pioneiras e proibiram o descarte de pintinhos machos introduzindo no mercado a adoção de técnicas de sexagem in ovo.

Saiba como a Animal Equality conseguiu banir o descarte de pintinhos machos na Itália. 

Existem diversas técnicas de sexagem in ovo, mas o objetivo de todas elas é antecipar a identificação do sexo do embrião para que os ovos possam ser descartados e os pitinhos não precisem ser triturados, ou mortos com gás, como acontece em alguns países.  

Após a fertilização, os ovos demoram 21 dias para eclodir. Diversos estudos científicos defendem que até o 7º dia, os embriões não possuem todas as terminações nervosas e, portanto, não são capazes de sentir dor. Entre o 7º e o 15º dia, os estudos não são conclusivos, portanto não podemos ter certeza de se os animais sentem ou não dor neste período, mas a partir do 15º dia existe um consenso entre os cientistas de que as terminações nervosas já estão formadas, e que, portanto, os embriões são capazes de sentir dor. 

Em nossas ações  para banir a prática da trituração de pintinhos machos no primeiro dia de vida, defendemos que sejam adotadas tecnologias baseadas na sexagem até o 7º dia do embrião. Essas tecnologias ainda não estão disponíveis no Brasil, mas estão evoluindo muito rapidamente na Europa. 

Para acelerar esse processo, nós estamos negociando com grandes produtores de ovos a adoção de compromissos para banir o descarte de sua cadeia de produção e a Mantiqueira, a maior produtora de ovos da América Latina foi a primeira a adotar esse compromisso no Brasil. 

Saiba mais sobre o compromisso da Mantiqueira. 

Já com relação ao descarte de bezerros, a solução é ainda mais simples, pois a tecnologia já está disponível no Brasil. É possível evitar o nascimento de machos com a utilização de sêmen contendo apenas fêmeas (sêmen sexado) para fecundar as vacas. Desta forma, os machos não nascem e não precisam ser mortos de modo tão cruel. 

Em 2021, graças à Animal Equality e outras ONGs de proteção animal, foi apresentado na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo um  projeto de lei para adotar a sexagem in ovo no Estado de São Paulo, o PL 256/2021, de autoria do Deputado Carlos Gianazzi. O Deputado também apresentou o PL 355/2021 visando proibir o descarte de Bezerros Machos. 

É muito importante que toda sociedade se mobilize para mostrar aos parlamentares que apoia o fim do descarte de animais no Estado. Para nos ajudar a acabar com o descarte de pintinhos, clique aqui para conhecer nossa campanha e assinar nossa petição. 

Assine agora e apoie o fim do descarte de pintinhos machos


Mais populares
fevereiro 14, 2018

Se você está buscando informações sobre veganismo ou tentando fazer a transição, esse post é para você! Os documentários abaixo mostram o veganismo em vários contextos — alguns ressaltam seus benefícios para a saúde, enquanto outros mostram a crueldade animal e os problemas ambientais causados pela indústria da carne. São…
dezembro 10, 2018

A ciência já provou que eles são capazes de sentir, pensar e perceber. Agora ativistas lutam para que a lei reconheça que eles têm direitos assim como nós Por Nyle Ferrari Manifestação da Animal Equality em homenagem ao Dia Internacional dos Direitos Animais (Fotografia: Paula Jacob) Depois de serem transportados…
março 19, 2020

Algumas das graves ameaças à saúde pública dos últimos 20 anos foram consequências diretas do consumo de carne e produtos de origem animal, por exemplo: O caso da carne bovina com hormônios Em 1988, um grande caso explodiu porque a carne bovina dos EUA continha hormônios esteróides, normalmente utilizados ​​em…